quarta-feira, 8 de julho de 2015

ALIEN DAY — Extraterrestrial (2014)

"My babes, they took my babes!"

Então, lá está você e alguns amigos que decidem ir passar o fim de semana numa casa de campo. Depois de um pedido de casamento negado e um pouco de bebida alcoólica, no meio de uma discussãozinha, você vê uma bola de fogo caindo do céu. Pela região, uma mulher está desaparecida. Ela sumiu com praticamente uma cabine de telefone inteira no meio de um posto de gasolina, do qual, pela câmera de segurança só se pode ver algo sendo puxado pra cima. Animais foram atacados, sendo deixados pra traz com cortes simétricos em sua carne. O que você faz?

a) Você liga para as autoridades.

b) Você pega o carro, vai embora só pra ter certeza que aquilo não te afetará de alguma maneira.

c) Você pega o carro, coloca todos os seus amigos dentro e vai lá dar uma espiada no que é, afinal, não é sempre que uma bola de fogo cai do céu.



Se sua resposta foi letra c, parabéns. Esse é seu filme. Pois bem, é mais ou menos isso que acontece em Extraterrestrial, porque digamos que não tem nada mais clichê pra se fazer a respeito. 

Voltando ao Extraterrestrial, ao chegarem ao local do acidente eles encontram uma nave espacial, aparentemente vazia e pegadas seguindo na direção da sua cabana.



Eles decidem voltar para a cabana e se proteger de seja lá o que tenha saído daquele estranho objeto voador não identificado. Ao voltar pra casa de campo, eles travam as portas, janelas e esperam o dia chegar pra poderem saírem logo dali. Só que eles não contavam que o piloto daquela nave fosse parar na porta deles. Ao irem ao porão, encontram uma .12 (item mais comum em casas americanas, segundo filmes) e April (a típica personagem que caçava com o o pai na infância) acaba atirando na criatura que tentava entrar pela porta de vidro.


Após encontrarem o alienígena na piscina, decidem partir na mesma hora. O que eles também não esperavam é que o piloto tinha amiguinhos.


Olho por olho, dente por dente, habitante por habitante? E aqui temos nossa primeira obdução, que para um filme que não é levado muito a sério no começo, é uma das melhores que eu já vi. Terra tremendo, luzes vermelhas e aquele pézinho começa a sair do chão, blocos de terra flutuam ao redor e boom, sugada pra dentro de um modo lindo. Ótimo jeito de partir pra outra.


Para melhorar a situação (ou piorar, caso você seja um personagem) os aliens tem controle da mente. Isso, meu caro cosmonauta, eles podem entrar dentro na sua mente e obrigar você a fazer o que eles bem entenderem. Nessa cena, eles controlam a mente de um policial que descobre que sua esposa, que desapareceu a anos atrás foi levada por eles, obrigando-o a atirar em seu colega e em sua própria cabeça. Fenomenal.

Depois dos nosso amiguinhos abduzirem uma boa parcela de gente, e matar outra boa parcela é hora de dar tchau. Eles por último levam Kyle, namorado da April (que pediu ela em casamento) e o que ela faz? Implora para eles voltarem e levá-la também.


Como nossos aliens são ótimos visitantes, bem, eles voltam e levam April como fizeram com Kyle e ela se encontra dentro de uma espécie de colmeia.



April encontra Kyle, e após os aliens os encontrarem os enviam de voltam a terra, como se nada tivesse acontecido.
Nesse momento você pensa, "aí, ques aliens mais fofos, devolveram o casalzinho limpos e abraçados, owwnt que belo final" ou "mano, que m*rda do car*lho, porque que os aliens devolveram esses caras, devia ter colocado sonda anal e tacado o f*da-se". Mas a questão é, quem disse que esse é o final? Depois de alguns minutos de felicidade e amorzinho, você realmente acha que o filme vai acabar, porém...




Boom, vem o governo e decide acabar com a festinha dos pombinhos. O governo tinha um acordo com os visitantes, e acabam com qualquer vestígios que se quer um dia os aliens tiveram aqui. 

E é por esse motivo que Extraterrestrial é o estreante da Alien Week. No dia 8 de julho de 1947, em Roswell, o jornal Roswell Day, publicou na primeira página a notícia que a Força Aérea dos Estados Unidos da América havia tomado posse de destroços de uma nave espacial. Desde então, inúmeras teorias sobre foram divulgadas e deu-se o inicio da ufologia.


Seth, foi um dos personagens que eu mais gostei em Extraterrestrial. E podemos aprender muito com ele a como sobreviver a uma invasão extraterrestre.


1- Seja preso.

 
Porque ser preso numa invasão alien não tem preço.

2- Quando for tentar ser abduzido, algeme-se em uma árvore.

 Podem te levar, mas uma parte de você sempre permanecerá.

3- Tenha algum tipo de relacionamento com os visitantes.

Nem que seja involuntário.

Então, caros espécimes que saíram do útero de uma mulher por causa de um maldito android, essa foi a primeira parte da nossa Alien Week.

Notas:

1- Deu mó canseira fazer tudo isso, espero que tenham gostado.
2- Deixe seu comentário, like, +, compartilhe e evite visitantes indesejados.
3- Resolvi fazer um post bem mais informal, e provavelmente vai continuar assim daqui pra frente.


segunda-feira, 6 de julho de 2015

Strange Blood (2015) — Filme de Quinta #2


Strange Blood pode ser definido como uma mistura de A Mosca com um filme vagabundo de vampiros, não que essa seja uma definição ruim. Quem é que não adora um filminho ruim? 

Sangrento, levemente asqueroso e com uma temperada de perturbação, o cientista Henry, decide ir ao extremo para encontrar uma cura para todas as doenças do mundo. Com isso, ele se encontra estudando ELA, uma encubadora viva que ele mesmo projetou, ela cria um meta-vírus e desse meta-vírus ele consegue um retro-vírus, assim podendo fazer uma vacina universal. O que ele não esperava é que seria infectado com algum parasita vindo dELA.

Após ele ser infectado com esse parasita, Henry começa a ter alucinações e se torna um homem louco e sedento (no sentido literal) por sangue. Somente sacos de sangue não são o suficiente para saciar sua sede, e Henry aproveita de sua assistente, Gemma, para conseguir sangue fresco. 

O que torna esse filme ruim incrivelmente bom pra reerguer um quadro enterrado a muito tempo é o modo de como eles mostram o cientista se deteriorar. 


Cheio de alucinações, insânia e sede, Henry tem seus altos e baixos. Ele foi curado de todas as doenças do mundo, mas com isso veio uma maldição. Seus delírios trazem a tona o passado amargurado, do qual o personagem tenta de alguma maneira se redimir. Gemma, sua assistente, decide encontrar alguma maneira de ajudá-lo.

Strange Blood é o filme de estreia do diretor Chad Michael Ward, estrelando Robert Brettenaught, também estreante em longas. O filme tem um final interessante, vale a pena conferir.


Aqui, Henry apresentando ELA. 

Então pessoal, esse é o Filme de Quinta de hoje. Infelizmente, curto. Mas, prefiro deixar assim a dar spoilers. Confiram o filme em qualquer oportunidade.

Notas:

1-Filme de Quinta vai continuar saindo em dias que não são Quintas.
2-Vale a pena assistir o filme, é ruim, mas é incrivelmente bom.
3-As coisas tem um ciclo, a vida e a morte, quando isso é alterado, sempre dá merda.
4- Confira o último Filme de Quinta: Sharknado. Aqui.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos — Análise Final

ATENÇÃO: CONTÉM SPOILERS.
Se você não assistiu O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos...

"Numa toca no chão vivia um hobbit. Não uma toca desagradável, suja e úmida, cheia de restos de minhocas e com cheiro de lodo; tampouco uma toca seca, vazia e arenosa, sem nada em que sentar ou o que comer: era a toca de um hobbit, e isso quer dizer conforto."

Posso dizer que me sinto bem confortável diante da finalização da trilogia "O Hobbit". Durante esses dois anos, eu não sabia muito o que esperar, mesmo conhecendo o trabalho do Peter Jackson, aquele querido "pé atrás" ainda estava lá. O primeiro filme eu adorei, era fantástico ver a Terra-média outra vez, e foi a mesma coisa com o segundo apesar de algumas coisas terem me decepcionado. Mas vamos ao terceiro.


Por algum motivo, os filmes de número três nunca me agradaram muito (inclui-se Matrix, Homem de Ferro, Homem Aranha, etc) então já fui pro cinema meio que sabendo o que eu iria enfrentar. Pegando pelo final de A Desolação de Smaug eu esperava muito mais destaque para o dragão do que realmente teve, já que sua cena acaba antes mesmo de aparecer as letras com o nome do filme. Com a cidade em chamas e o dragão morto, as pessoas da Cidade do Lago, sendo lideradas por Bard, o Arqueiro, vão até a Montanha falar com Thorin sobre o acordo que tinham feito e Thorin decide não manter sua palavra. É nessa parte que o filme começa a se desenrolar. Os Elfos, liderados por Thranduil, também vão a Montanha pegar a parte do tesouro que lhes pertence e com a atitude de Thorin, declaram guerra.


Sobre fotografia, o filme não deixa nada a desejar. Muito menos em questões gráficas, a paisagem é belíssima, o filme é como uma obra de arte. O troca-troca de ritmo do filme chega a ser um pouco confuso. Numa hora está um clima tenso e na outra parece que não tem nada acontecendo. Antes dos Orcs chegarem, três fucking vermes gigantes aparecerem amedrontando "geral" você acha que eles vão "detonar" e do nada eles somem. Os cortes entre a crise de Thorin, a batalha das pessoas da Cidade do Lago e a batalha dos anões e elfos contra os orcs conseguem mostrar o lado de todos nessa guerra, o fato é que eles não mostram como a Cidade do Lago vence os Orcs deixando uma ponta solta.

Eu, particularmente, achei a "porradaria" demais. Confesso que não consegui tirar aquele sorriso bobo da cara do começo ao fim, principalmente quando o primo do Thorin (que não irei lembrar o nome agora) aparece. Algumas coisas no filme que mereciam mais destaques acabaram ficando um pouco sufocadas pelo resto, como o relacionamento entre Legolas e Thranduil, a épica batalha de Legolas e Bolg, a chegada das águias... mas principalmente a essência inicial do filme. O Hobbit fala sobre Bilbo Bolseiro que está descobrindo todo um novo mundo e nos filmes, principalmente no terceiro, você esquece que essa é a questão principal. Teve uma hora, um pouco antes da batalha de Thorin e Azog que o Bilbo cai apagado, quando ele acorda eu já havia esquecido que ele estava ali. Nesse filme, o Bilbo não chega a ser o real protagonista, focando basicamente todo o filme na pancadaria. Até o romance entre Kili e Tauriel se destaca mais do que o próprio Hobbit.

Agora voltando um pouquinho pro lado pessoal da coisa, Fíli e Kili sempre foram meus anões favoritos, depois de Thorin claro, quem não gosta do Thorin? Enfim, quando Fíli e Kili morrem, pra mim foi bem triste, mas fiquei um pouco chateada de só as morte de Kili e Thorin terem sido lembradas. Ok que eles eram os anões que mais apareciam, mas eu gostava do Fíli. Deixando de lado a parte pessoal, a ligação entre O Hobbit e o Senhor dos Anéis permite que os filmes sejam assistidos como uma única história. A trilha sonora é magnífica do começo ao fim.


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

É isso, espero que eu tenha lembrado de todos os pontos que eu queria abordar.

Você pode ver outra crítica do blog aqui feita pelo Felipe Monteiro.

Aqui você pode ver a música de encerramento do filme, se você não se emocionar, você não tem coração.


O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos por Felipe Monteiro — Crítica

ATENÇÃO: PODE-SE CONTER SPOILERS! 

Uma coisa pode-se pontuar, com certeza, com A Batalha dos Cinco Exércitos, o diretor Peter Jackson conseguiu resolveu todas as pontas soltas do segundo filme. Começando pelo dragão Smaug, que atua apenas no início desse filme, Peter Jackson nos coloca frente a uma cena bem trabalhada e com um desfecho bem coerente com a história, sem enrolações, o dragão morre e dá fim a trama paralela que foi gerada no segundo filme. O fulcro do filme se concentra no momento em que os anões se negam a cumprir o acordo que tinham firmado com os moradores da cidade do Lago, que nesse meio tempo foi destruída por Smaug. Com isso, os moradores da cidade do lago e os elfos se unem para atacar os anões e tomar a montanha. A partir desse instante, o filme volta o foco, prioritariamente, aos protagonistas (Bilbo e Thorin), e é aí que o filme alcança o seu ápice com relação ao desenvolvimento. Com belas atuações e uma sintonia praticamente perfeita, Martin Freeman e Richard Armitage colocam na tela momentos de profundidade, proporcionados por um roteiro oportuno e com espaço, inclusive, para a “doença do Dragão”, que aflige Thorin durante o discorrer do filme. Entretanto, exceto Thorin e Bilbo, poucos personagens conseguiram impressionar. Há momentos em que é explícita (e, de certa forma, desnecessária) a ligação com a saga dos Anéis. A cena de luta protagonizada por Sauron, Saruman, Elrond e demais personagens, é um tiro no escuro na trama, um ponto que, certamente, não influi na trama com importância. Outro ponto em que A Batalha dos Cinco Exércitos erra, é na comédia. Tentando proporcionar ao telespectador momentos de riso, Peter Jackson “sacrificou” alguns personagens (como boa parte dos anões, que sequer falam no filme) para a aparição mais frequente de personagens de insignificância. Indubitavelmente, um ponto que pouco deve se discutir é quanto à trilha sonora e à fotografia dos filmes. Mais uma vez, os responsáveis pelas áreas proporcionam cenas incrivelmente belas e com tons magníficos. Muito haverá de ser falado sobre a conversão de um livro para três filmes, mas o que pode-se concluir é que, mesmo com pontos no enredo que se estendem exaustivamente, a saga conseguiu alcançar um desfecho digno. Dessa vez mais conciso e direto, Peter Jackson parece ter tomado consciência de que, para um filme ser épico, ele não precisa, obrigatoriamente, ter uma longa duração.


Por Felipe Monteiro.

Você pode ver uma análise feita pelo blog aqui.

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola (2014) — Santo Easter Egg #6

Um Milhão de Maneira de Pegar na Pistola é um "western" de comédia. Estrelado e dirigido pelo Seth MacFarlane (também diretor de Ted). O filme se passa em 1882 no Arizona e conta a história de um pastor covarde que perde sua namorada por ter fugido de um duelo.

Eu, particularmente, não indico o filme para pessoas que não gostam de filmes de faroeste. Uma comédia de 2 horas (que geralmente costumam ser 90min) sobre um gênero que não faz bilheteria a anos é pra causar mesmo.

Eu confesso que só assisti Ted por causa do Mark Wahlberg e do Sam J. Jones (Flash Gordon), porém, com UMMPP (Um Milhão de Maneira de Pegar na Pistola) eu realmente quis assistir. Um filme de comédia que satiriza um gênero de filme que eu aprecio e ainda com um elenco desses? Não dá pra perder. Não é sempre que Liam Neeson interpreta um vilão pistoleiro com as calças arriadas (só pistoleiro, vilão é fácil e prefiro não falar das calças porque isso aqui ainda é um blog descente...)


Chega de falar asneira e vamos a parte que interessa... EASTER EGGS!

1- DE VOLTA PARA O FUTURO


Tá! Desde que o filme havia começado eu estava esperando algum easter egg relacionado a filmes de faroeste, mas quem iria imaginar que seria De Volta Para O Futuro! Imagina alguém que quando viu o celeiro (espero que esse seja o nome) iluminado deu um pulo no sofá e gritou "Doutor!!", essa pessoa era eu.

2- TARZAN BOY

Não sei se pode-se chamar isso de easter egg, mas achei interessante então...


É meio dia, o sol está forte e você tem o que fazer. Hoje você tem um duelo na rua principal da cidade, em frente a toda a população. Não saber atirar é sua habilidade e você precisa arrumar um pouquinho de tempo para resolver seu problema (sem spoilers). Seu oponente está preste a atirar, o que você faz?

Simples! Diz pra ele que seus avós eram árabes e que pela tradição você tem que recitar um cântico islâmico antes de morrer. Qual o cântico? Tarzan Boy de Baltimora!


Caso você tenha vivido em uma caverna nos últimos 132 anos, aqui a música original.


3- DJANGO UNCHAINED


Durante o filme aparece um daqueles jogos de tiros que geralmente eram patos ou fugitivos, porém em UMMPP os alvos são escravos! Quem aparece pra resolver a parada? Django Freeman! (Jamie Foxx) 

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~Bonus~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Em Django Unchained, Franco Nero aparece no salão. Pra quem não sabe, Franco Nero foi o cara que interpretou Django em 1966! Que aliás é um filmaço!

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Então pessoal, é isso. Se você viu o filme e achou algum easter egg que não está aqui deixe nos comentários!

Notas:

1- Demorei a postar por pura preguiça, eu ia postar hoje sobre o trailer de star wars mas vi esse rascunho abandonado só com o título e com o poster  e resolvi postar.
2- Ainda pretendo falar sobre star wars.
3- Assista Django, todo mundo devia assistir Django
4- Sinto que escrevi demais nesse post, mas vai assim mesmo por que gostei.
5- Tirei os gifs porque estava pesando o site com as imagens consigo qualidades superiores.
6- Chega de notas.



terça-feira, 16 de setembro de 2014

Cantando na Chuva (Singing In the Rain) 1952 — Santo Easter Egg #5

              Quem não conhece esse clássico? Praticamente todo mundo associa alguém em cima de um poste segurando um guarda-chuva em plena chuva (o que?) com Cantando na Chuva.
              Mas aos desinformados, Cantando na Chuva é um musical de 1952 que mostra a transição do cinema mudo para o cinema falado com um humor fantástico e canções inesquecíveis.
              Com um filme tão marcante não poderia faltar outros filmes fazendo algum tipo de referência.


              Começando com outro clássico:

Laranja Mecânica - 1971

Logo no começo do filme, Alex bate na porta de uma casa pedindo a moça para usar o telefone para chamar a ambulância pois tinha um acidente na estrada. A mulher um pouco receosa abre a porte a pedido do marido e... bem, veja ao vídeo.




---------------------------------------BONUS------------------------------------------------------

No filme "Tenacious D - A Palheta do Destino" quando o JB está deitando num banco da praça (pensando nela) aparecem os "queridos" drugues.


------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Bater ou Correr Em Londres - 2003

No meio de uma cena onde Chon (Jackie Chan) está lutando contra alguns bandidos, uma música familiar começa a tocar enquanto ele luta com um guarda-chuva. Confira:


  

Turma da Mônica

Na década de 90, saíram uma série de Gibis chamado "Cenas Impossíveis". E olha só a capa do Cascão:




Notas:
1-Desculpem-me pela demora.
2-Sério, me desculpem mesmo pela demora.
3-Prometo postar mais.
4-Se você não assistiu Cantando na chuva, feche essa página e vá assistir agora.
5-Deixe um comentário falando o que você achou do post.
6-Sabe um easter egg sobre Cantando na Chuva? Deixe nos comentários
7-Chega de notas.

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Turbo (2013) e Universidade Monstro (2013) — Santo Easter Egg #4 (double)


Hoje tem double!

           Turbo é uma animação produzida pela DreamWorks que conta a história de um caracolzinho de jardim chamado Theo que sonhava em participar da Indianopolis (uma corrida muito foda estilo formula 1). Coisas acontecem e ele acaba ficando SUPER VELOZ e encontra dois irmãos, do Dos Bros Tacos.

            Enquanto eles (os irmãos) discutiam sobre deixar ou não o Theo correr na Indianopolis o irmão mais velho, Angelo, mostra um mural com fotos das coisas que seu irmão mais novo, Tito, inventou de fazer e não deu certo.

            Logo, bem destacado no mural havia um jornal onde eles tentaram vender tacos e utilizar macacos para, digamos, chamar a freguesia. Coisa que obviamente não daria certo.

                    Porém, um dos macacos da foto tem uma feição diferente dos outros. Ele é um dos macacos de madagascar. Se é o Phill, eu não sei, mas ele tá com cara de quem quer tacar caca nas pessoas. (Gabryela, que isso minha querida)

oe gatos

PARTE 2

         Universidade Monstro é uma animação da Pixar que conta a história de como foi antes desses dois irem trabalhar na Monstros S.A.  A pixar em si já é cheia de easter eggs e Universidade Monstros não estaria por fora.

         Na festa de confraternização, estacionado no cantinho, podemos ver o caminhão da Pizza Truck, famoso por aparecer em muitos filmes da Pixar. O caminhão da Pizza Truck apareceu primeiro em Toy Story.



     No primeiro teste do Scary Games, quando a OK vai para o esgoto, desenhado na parede tem a seguinte imagem. Essa bola amarela é de um dos primeiros curtas da Pixar, que também pode ser encontrada em outros filmes.


---------------------------------------
Então pessoal, esse foi o Santo Easter Egg de hoje double, pela falta de tempo para postar. Se você conhece outros easter eggs não deixe de comentar e de dar seu like! Até a próxima.

E não jogue caca nas pessoas. ~